BH in SOLOS // 2015

A 3ª edição da BH in SOLOS – Mostra de espetáculos cênicos individuais foi realizada entre os dias 8 e 18 de outubro, e contou com 16 apresentações de 12 espetáculos de teatro, performance e dança. Com uma diversidade temática e de linguagens – sendo 03 estreias nacionais, além de solos ainda inéditos na cidade –, os trabalhos, realizados por sete artistas mineiros e outros cinco vindos de Buenos Aires, Curitiba, Mar del Plata, Rio de Janeiro e São Paulo, ocuparam seis espaços da capital mineira – Casa Amarela, Centro Cultural Lindeia Regina, Centro de Referência da Moda, Esquyna Espaço Cênico Cultural, Sesc Palladium e Zap18.

A mostra chegou a 2015 com um número maior de espetáculos e performances e uma proposta de intercâmbio ainda mais estreito com artistas e trabalhos da América Latina. Mais que números, chega com um desejo ainda mais potente de trocas de experiências, ideias e afetos.

[ Performance ]
PREENCHENDO O ESPAÇO – FULL FEELING SPACE // Marco Paulo Rolla (Belo Horizonte/MG)

FOTO: Debora de Oliveira
FOTO: Debora de Oliveira

08.10, quinta-feira, às 18h, no Centro de Referência da Moda 
180 minutos / livre / entrada gratuita

Esta performance encontra seu maior desafio em sua estrutura simples. O artista trabalha na companhia de um acordeom para que o movimento, a paralização, o som ou a tensão do silêncio transforme o espaço. Tudo se torna instrumento do sensível quando corpos se encontram para ativar a energia criativa no tempo, na propagação no espaço, na pausa e no deslocamento. A presença é desenvolvida em improvisos ininterruptos entre o corpo e o som, o existir e o não existir, a forma e a diluição, a contenção e a expansão. A conexão entre o objeto sonoro e o corpo cria um jogo relacional em que movimentos serão improvisados em reação aos sons, e vice e versa, expandindo pelo espaço o encontro de suas energias.

Ficha Técnica | Concepção e execução: Marco Paulo Rolla

[ Teatro ]
SHAKESPEARE – LIVROS PARA SOBREVIVER // Madame Teatro (Belo Horizonte/MG)

08.10, quinta-feira, às 20h, na Zap 18
60 minutos / 12 anos / R$10 e R$5 (meia-entrada)

FOTO: Debora de Oliveira
FOTO: Debora de Oliveira

A hora é noturna e o tempo é agora. Dezenove formas de falar, sete personagens, sete mortes e sete livros que trazem lições para a sobrevivência. O público dentre os sete escolherá apenas três. Qual livro você quer que seja aberto: O Livro de Cleópatra, O Livro de Coriolano, O Livro de Hamlet, O Livro de Lady Macbeth, O Livro de Ofélia ou O Livro de Otelo?

Ficha Técnica | Concepção, direção e atuação: Diego Bagagal / Texto: Mickael de Oliveira / Dramaturgia: Diego Bagagal e Mickael de Oliveira / Assistentes de direção: Débora de Oliveira & Martim Dinis / Vídeo-projeções: Débora de Oliveira & Ralph Antunes / Trilha sonora original: PJ Jota Quest / Pinturas portraits: Martim Dinis / Fotografias portraits: Inês Rabelo / Desenho de luz: Allan Calisto / Fotografias de divulgação: Débora de Oliveira / Produção: Débora de Oliveira / Realização: MADAME TEATRO

[ Teatro performativo-documentário ]
TALVEZ EU ME DESPEÇA // Cia Afeta – Maria Beatriz França (Belo Horizonte/MG)

09.10, sexta-feira, às 20h, na Zap 18
70 minutos / 12 anos / R$10 e R$5 (meia-entrada)

FOTO: Guto Muniz
FOTO: Guto Muniz

São cinco e meia da manhã. Desmaio na cama. Meia hora depois, meu telefone começa a tocar sem parar. Quando acordo, há várias ligações não atendidas e um susto no peito. Dois anos depois daquela madrugada, volto à cena para lembrar de uma amiga que não pôde se despedir. “Talvez eu me despeça” tem como fio condutor a ausência da atriz Cecília Bizzotto, assassinada em 2012, durante um assalto. No palco, Beatriz França tece uma homenagem à amiga, através de um trabalho que adentra essa memória e leva à reflexão sobre a finitude das relações humanas, a impossibilidade de se despedir, a solidão e o risco que permeia a arte e a vida.

Ficha Técnica | Concepção: Beatriz França e Ludmilla Ramalho / Direção: Ludmilla Ramalho / Atriz/performer: Beatriz França / Dramaturgia: Daniel Toledo / Pesquisa dramatúrgica: Beatriz França e Daniel Toledo / Instalação-cenográfica e figurino: Ana Luisa Santos / Composição de Imagens eletrônicas: Carlosmagno Rodrigues / Iluminação: Leonardo Pavanello / Trilha Sonora: Patrícia Bizzotto e Barulhista / Direção de movimento: Christina Fornaciari / Preparação corporal: Christina Fornaciari e Guilherme Morais / Preparação Vocal: Amanda Prates / Professor de Arte marcial chinesa: Thiago Borges / Assessoria de Imprensa: João Marcos Veiga / Conteúdo de Redes sociais: Ivana Almeida / Designer: Nando Motta / Fotógrafo: Guto Muniz / Coordenação Geral: Ludmilla Ramalho / Produção Executiva: Afinal Cultura – Alê Abreu e Val Soares

[ Teatro ]
IDENTIDADE // Vinícius Piedade (São Paulo/SP)

9* e 10.10, sexta-feira e sábado, às 20h, e 11/10, domingo, às 19h, no Sesc Palladium
80 minutos / 12 anos / R$10 e R$5 (meia-entrada)

** No dia 9, após o espetáculo, haverá um bate-papo com o ator, dentro do projeto Criações de Bolso

03_04_identidade-vinicius-piedade_foto-alice-arida
FOTO: Alice Arida

Um publicitário sofre uma amnésia repentina justamente quando assina contrato com uma empresa de sabão em pó para uma campanha publicitária chamada “Identidade”. Nessa crise criativa desencadeada pela amnésia, ele decide ir ao encontro dos amigos de adolescência. Uma busca por saber se o que ainda resta de sua memória – justamente essa fase de construção de identidade – é sua imaginação ou se de fato aconteceu, tentando, com isso, reconstruir sua identidade.

Ficha Técnica | Texto, direção e interpretação: Vinícius Piedade / Trila sonora original: Manuel Pessôa de Lima    / Iluminação: Aline Santini / Figurino: Mário Queiroz / Assistente de direção: Simone Carleto / Fotografia: Alice Arida / Operador de luz e som: Marcio Baptista

[ Teatro ]
ABANICO DE SOLTERA // Grupo Teateatro (Buenos Aires, Argentina)

10.10, sábado, às 20h, na Zap 18
55 minutos / 12 anos / R$10 e R$5 (meia-entrada)

03_05_abanico-de-soltera-grupo-teateatro

Uma mulher se atira no abismo do universo lorquiano; cerimoniosa e poética ela segue por um labirinto de nostalgia e angústia. Como um anjo, narra, canta, recita, grita e susurra a calamidade da solidão. Na pele dessa mulher habitam fantasmas de personagens do poeta que recriam suas últimas e solitárias horas. “Abanico de Soltera”… uma homenagem ao grande poeta granadino, Federico García Lorca.

Ficha Técnica | Escrito e interpretado por: Andrea Juliá / Música composta e interpretada por: Gustavo Testa / Figurino, adereços e cenário: Miguel Angel Nigro / Produção do cenário: Martin Parede / Consultoria sobre flamenco: Perla Fernandez / Consultoria de manejo de objetos: Itati Figueroa / Diretor assistente: Rodrigo Medrano / Imagem: Eduardo Grilli / Produção executiva: COnvexa Producciones Culturales e Andrea Juliá / Produção Geral: Grupo TeaTeatro / Direção: Horacio Medrano

[ Teatro ]
DOMINGO // Cida Falabella (Belo Horizonte/MG)

FOTO: Thiago Macedo
FOTO: Thiago Macedo

11.10, domingo, às 16h, na Casa Amarela
90 minutos / 16 anos / R$10 e R$5 (meia-entrada)

Domingo é uma cena-experiência, que se passa em uma casa com quintal. A pesquisa buscou estabelecer um diálogo entre dois universos: os rituais de cura, recriados a partir da pesquisa e vivência de práticas corporais pessoais e biográficas, realizados no lado de fora, na recepção ao “público”, e a “conversa” do lado de dentro, permeada por temas femininos e textos literários, registrados no blog “A louca sou eu”. Atravessando os temas, emerge a luta de uma mulher pela vida e sua tentativa de (des)enlouquecer. Sua vida diária e poética são compartilhadas.

Ficha Técnica | Atuação e textos: Cida Falabella / Direção e roteiro: Denise Pedron / Produtora: Kely Anne / Produção: ZAP 18

[ Teatro ]
JOÃO-DE-BARROS // Charles Valadares (Belo Horizonte/MG)

14.10, quarta-feira, às 15h, no Centro Cultural Lindeia Regina
30 minutos / livre / entrada gratuita

FOTO: Lucas Araújo
FOTO: Lucas Araújo

João-de-Barros é uma singela homenagem à infância e ao poeta brasileiro Manoel de Barros. O espetáculo conta a história de João, um menino que, brincando no quintal que abraçava a sua casa, viveu um faz-de-conta-sem-fim e descobriu como deixar o dia com tempo de lesma. Assim, ele inventou seu próprio mar e passou a ser chamado de Bernardo, o capitão dos mares inventados, personagem este que narra sua própria estória. Em uma de suas viagens, Bernardo descobre uma terra habitada por um povo que vivia oprimido pelo seu grande rei. Em defesa deste povo ele elabora um plano que pode mudar (ou não!) o rumo das coisas por ali…

Ficha Técnica | Concepção e atuação: Charles Valadares / Assessoria artística: Mariana Lima e Muniz, Rodrigo Robleño / Orientação dramatúrgica: Raysner de Paula / Direção visual: Cássia Macieira e Helaine Freitas / Assessoria do movimento: Fabrício Trindade / Iluminação: Jésus Lataliza / Produção: Vânia Silvério / Realização: Grupo de Teatro Mamãe Tá Na Plateia

[ Teatro ]
AMOR: MANIFESTO ANTIACADEMICISTA PRÓ-BRUXARIA SEM RIGOR CONCEITUAL DO MEU LADO OCIDENTAL QUE EURÍPEDES DESCONHECE // Marina Viana (Belo Horizonte/MG)

FOTO: Guto Muniz
FOTO: Guto Muniz

15.10, quinta-feira, às 20h, no Esquyna Espaço Coletivo Teatral
50 minutos / livre / R$10 e R$5 (meia-entrada)

Dizem que no princípio era o verbo, que se fez carne e a costela fez-se mulher. Dizem que o primeiro homem curou a ferida que a mulher tinha no meio das pernas copiando os animais. Dizem que Zeus castigou o andrógino fazendo-o viver atrás do seu pedaço. Dizem que, no tempo de Medéia, o amor não existia.

Ficha Técnica | Concepção, dramaturgia e atuação: Marina Viana / Direção: Sara Rojo / Iluminação: Marina Arthuzzi / Figurino: Mariana Blanco e Marina Viana / Cenografia e adereços: Daniel Herttel

[ Performance ]
O NARRADOR // Diogo Liberano (Rio de Janeiro/RJ)

16* e 17.10, sexta-feira e sábado, às 20h, e 18.10, domingo, às 20h, no Sesc Palladium
55 minutos / 16 anos / R$10 e R$5 (meia-entrada)

* No dia 16, após o espetáculo, haverá um bate-papo com o ator, dentro do projeto Criações de Bolso

FOTO: Anna Clara Carvalho
FOTO: Anna Clara Carvalho

Lembranças, poemas, cartas e troca de e-mails compõem “O Narrador”, um encontro entre Diogo Liberano e o público através do gesto de contar histórias. A partir do texto homônimo (“O Narrador – Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”) de Walter Benjamin (1892-1940), Liberano compartilha vivências próprias ligadas à morte de parentes e amigos. Sexta criação do Teatro Inominável, companhia nascida em 2008 no Rio de Janeiro pelo encontro dos artistas Adassa Martins, Caroline Helena, Diogo Liberano, Flávia Naves e Natássia Vello, “O Narrador” se soma às outras criações do grupo: os espetáculos “Não Dois”, “Vazio é o que não falta, Miranda”, “Como Cavalgar um Dragão”, “Sinfonia Sonho” e “Concreto Armado”.

Ficha Técnica | Dramaturgia e Performance: Diogo Liberano / Composição Musical: “Angel” de Rodrigo Marçal / Colaborações Artísticas: Adassa Martins, Caroline Helena, Flávia Naves, João Pedro Madureira e Natássia Vello / Registro Fotográfico: Anna Clara Carvalho e Betânia Dutra / Registro Audiovisual: Philippe Baptiste / Produção: Clarissa Menezes e Thiago Pimentel / Realização: Teatro Inominável

[ Teatro ]
CACHORRO ENTERRADO VIVO // Leonardo Fernandes (Belo Horizonte/MG)

16.10, sexta-feira, às 20h, no Esquyna Espaço Coletivo Teatral
50 minutos / 12 anos / R$10 e R$5 (meia-entrada)

FOTO: Lia Soares
FOTO: Lia Soares

Três monólogos subsequentes em que personagens distintos encontram-se envolvidos em uma mesma situação: na tarde de uma quinta-feira qualquer, o vigia de um terreno recebe de um passante a proposta para cavar uma cova e enterrar seu cachorro. Preço negociado, o homem sai para buscar o animal e volta trazendo a seu lado um cão vivo. A estrutura do texto propõe a sobreposição e o embate entre três diferentes posicionamentos éticos diante de um evento cotidiano, penteando a contrapelo as convenções sociais. O que é animalesco? O que é humano?

Ficha Técnica | Atuação: Leonardo Fernandes / Texto: Daniela Pereira de Carvalho / Direção: Marcelo Fonseca do Vale / Preparação Corporal: Eliatrice Gischewski / Cenário e figurino: Cícero Miranda / Cenotécnico: Ronaldo de Deus / Operador de luz: Daniel Hazan / Trilha sonora original: Márcio Monteiro / Criação de luz: Wladimir Medeiros / Voz off: Bruna Chiaradia / Assessoria de imprensa: Lenora Rolhfs / Projeto gráfico: Lampejo / Produção executiva: Eliatrice Gischewski / Produção: Leonardo Fernandes

[ Dança ]
OHNO // Gerrah Tenfuss (Curitiba/PR)

17.10, sábado, às 20h, no Esquyna Espaço Coletivo Teatral
40 minutos / 14 anos / R$10 e R$5 (meia-entrada)

FOTO: Jorge Etecheber
FOTO: Jorge Etecheber

Inspirado na dança japonesa pós-guerra Butoh – de onde vem o sexo, a raiva, o disforme, emoções vivas enclausuradas na mente -, a corporeidade desse trabalho solo de Gerrah Tenfuss transfigura a crueldade, a terrível realidade do ser frente a si mesmo. Uma visão sombria que transmuta imagem em movimento. Revela o lado pessimista da vida, a face oculta da modernização, o isolamento, a alienação e a massificação. Centraliza sua dramaturgia no corpo como mídia primária, capaz de expressar diferentes qualidades de energia sem depender para isso de recursos de cenário, iluminação, ou trilha sonora.

Ficha Técnica | Performer: Gerrah Tenfuss / Design de Luz: Gerrah Tenfuss / Operação de Luz: Marina Cananda / Direção: Marina Cananda / Produção: Marina Cananda

[ Teatro ]
POTESTAD // Hugo Kogan (Mar del Plata, Argentina)

18.10, domingo, às 20h, no Esquyna Espaço Coletivo Teatral
57 minutos / 14 anos / R$10 e R$5 (meia-entrada)

FOTO: Osvaldo Fulgenzi Donatella Macolla
FOTO: Osvaldo Fulgenzi Donatella Macolla

Esses monstros argentinos tinham uma filosofia que era corroborada por uma grande massa cinza “silenciosa”. Eram os chamados “bons pais”. Os salvadores das crianças, os que as tiravam desse “inferno vermelho”. O fenômeno dos raptos de crianças fez os argentinos famosos em todo o mundo. Sempre algum deles é “noticia” quando são descobertos pela implacável “ética oposta”: a das mães e avós da Praça de Maio. Eles nunca sequer imaginaram que seriam perseguidos até o fim do mundo para que os netos roubados fossem “resgatados”.

Ficha Técnica | Atuação: Hugo Kogan (Equipo de Teatro de La Granada) / Direção: Roque Basualdo e Hugo Kogan / Texto: Potestad, de Eduardo Pavlovsky

:: ESPAÇOS ::
Casa Amarela
– para endereço e ingressos, os interessados devem enviar um e-mail para producaodomingo2015@gmail.com
Centro Cultural Lindeia Regina – Rua Aristolino Basílio de Oliveira, 445 – Regina / 100 lugares

Centro de Referência da Moda – Rua da Bahia, 1149 – Centro
Esquyna Espaço Cênico Cultural – Rua Célia de Souza, 571 – Sagrada Família / 60 lugares
Sesc Palladium – Avenida Augusto de Lima, 420 e Rua Rio de Janeiro, 1046 / 79 lugares
Zap 18 – Rua João Donada, 18 – Serrano / 80 lugares

* Com exceção do Sesc Palladium, que aceita pagamento em cartões de débito e crédito, todos os demais o pagamento deve ser feito em espécie.